Arquivo da tag: Joaçaba

CIDADÃO HONORÁRIO JOAÇABENSE – 2007

EXMO. SR. PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE JOAÇABA, VEREADOR ADEMIR LUIZ RIGHI
EXMO. SR. PREFEITO MUNICIPAL ARMINDO HARO NETTO
EXMO. SR. SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE JOAÇABA, JORGE DRESCH, NESTE ATO REPRESENTANDO O EXCELENTÍSSIMO SR. GOVERNADOR LHS
EXMO. SR. DEPUTADO ESTADUAL JORGINHO MELLO, NESTE ATO REPRESENTANDO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
EXMOS. SRS. VEREADORES ,
EXMO. SR. VEREADOR LICENCIADO ELÓI HOLFELDER, GERENTE REGIONAL DA CELESC, A QUEM AGRADEÇO POR TER SIDO O PROPONENTE DESTA HOMENAGEM
PREZADO AMIGO JOÃO CARLOS BORDIN
EXMA. SRA. CONSULESA DA ÁUSTRIA ANNA LINDNER VON PICHLER
MAGNÍFICO REITOR DA UNOESC, DR. ARISTIDES CIMADON
DIGNAS AUTORIDADES
QUERIDOS FAMILIARES E AMIGOS DA FAPESC
QUERIDAS AMIGAS E QUERIDOS AMIGOS DE JOAÇABA

Saúdo, inicialmente, a memória de minha mãe Dulce Fernandes de Queiroz e de meu pai Alexandre Muniz de Queiroz, cidadão joaçabense falecido no dia 23 do mês passado. Ele deixou codicilo escrito no qual me fez testamenteiro de suas últimas vontades, dentre elas a de ser cremado e suas cinzas “jogadas no rio Tigre, em Joaçaba, no fundo da casa que foi nossa, onde os quatro mais velhos (Maria Perpétua, Antônio Diomário, Enéas Jeremias e Luiz Lafaiete) tomavam banho e pescavam.”
Essa última vontade de papai liberta a minha mais antiga lembrança de vida: a sensação de imensa alegria de estar com ele, nadando no rio Tigre, em sua garupa. E abre o baú das reminiscências de um guri e jovem que viveu muito feliz em Joaçaba, como atestam as imagens a seguir projetadas.

Senhoras e Senhores,

Não localizei o registro fotográfico de mil outras maravilhosas recordações que guardo de Joaçaba: os trigais maduros até nos canteiros centrais da cidade, quando abrigou a Festa Nacional do Trigo; o orgulho de todos quando, no mandato de Udilo Antônio Coppi, foi o Município reconhecido como um dos mais progressistas do país; os pirulitos de açúcar vermelho comprados no seu Kempa aos domingos de manhã após a missa e que manchavam minhas roupas brancas de linho para desespero da mamãe; elas eram também manchadas pelas amorinhas guardadas no bolso, colhidas à beira do Rio do Peixe na casa de Tio José e tia Dirce, em Herval do Oeste, onde esperávamos a chegada sempre atrasada dos trens misto e direto, o espetáculo dos circos, as fogueiras das festas de São João. Como eram boas as matinês na rádio, animadas pelo Parafuso, as festas de barraquinha com as músicas das bandas tirolesas, os passeios de toda a cidade ao final de domingo até o conviver no cinema com as emoções do mesmo filme!
Essas e muitíssimas outras lembranças estão indelevelmente gravadas em minha mente e em meu coração! É por esta razão que tenho a clareza de que meu caráter, a parte mais importante de minha personalidade, foi forjado em Joaçaba. Herdei a alegria, o otimismo, as boas maneiras, o brasileirismo da cultura baiana de papai. Aprendi a disciplina, a perseverança, a confiança profunda na educação e na religiosidade, o sacrifício pela busca do ideal, com a cultura germânica e portuguesa de minha mãe. Acrescentei a esses valores a percepção clara da importância da tecnologia, das inovações e do empreendedorismo para a realização na vida, ouvindo diariamente o som das máquinas e dos apitos das fábricas de Joaçaba e a música dos rádios que embalava o trabalho na terra: “Vamos plantar milho, plantar com devoção, plantando milho tem fartura a gente sempre tem o pão. Plantando milho tem fartura a gente sempre tem o pão.”

Foi na convivência com a cultura alemã, tirolesa e italiana de meus amigos joaçabenses, que aprendi a respeitar a diversidade e a compreender que é na aceitação da diferença e no reconhecimento mútuo que afloram as oportunidades para todos e a afirmação de cada individualidade.

Foi nesse amálgama de vivência plural, que consegui assimilar os três valores principais e comuns a essas culturas: honestidade de princípios, trabalho competente e dedicado, bondade do coração. É o que me permite dormir com a consciência tranquila, decidir em relações complexas de conflitos humanos, selecionar com êxito amigos e pessoas.

Ainda hoje, quando venho a Joaçaba, sinto profundas emoções, que se transformam em vibrações físicas de prazer, desde o reencontro com as paisagens dos campos de Lages e Campos Novos e os contornos ondulados da Serra Geral.  Sendo assim, sempre me considerei joaçabense, e em todas as funções que exerci procurei atender aos amigos joaçabenses com especial atenção. Mas permanecia a consciência de que para ser joaçabense em plenitude, faltava-me ou o nascimento, já ocorrido em Boa Nova, Bahia, ou a outorga do título de joaçabense pela cidade, por intermédio desta Câmara Municipal.
É o que se faz nesta sessão solene!
Muito Obrigado!!