Poeta bissexto

Poeta bissexto

Coração de poeta bissexto
eclodiu na estação dos amores
 e vibrou nos outonos amarelos de Paris.

Nos flocos brancos do inverno
fermentou sementes escondidas
de versos semeados ao acaso.

Os flamboyants, os matizes do verde e o azul da ilha
libertaram sem medo os poemas
represados no coração.

Do que vale a beleza entesourada
nas sombras da memória
nem sequer pelo amor apercebida?

Florianópolis, 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.