Flamboyant

Flamboyant

 

Meu coração flamboyant florido

vermelho do verão

ao vento balançando baila

e tomba sempre.

 

Neste ciclo flamboyante

liberto da prisão as ânsias

e os planos em perspectivas

que dormem nas estrelas.

 

Volta coração vermelho

à agonia cadenciada

das etapas!

 

Explode rubro poeta flambloyant

cascalhos e folhas verdes

em janeiro!

 

Florianópolis, 25 de janeiro de 1975.

 

 

 

 

 

 

2 comentários em “Flamboyant”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.