A SABEDORIA DA CHINA SOBRE O GOVERN0

(Extrato  de Diomário Queiroz do livro de Lin Yutang para atender pedido de sua filha Simone)

1.- LAOTSE, O LIVRO DE TAO (Nasc. 570 AC)
“Governa um reino normalmente. (…)
Quanto mais proibições há, mais o povo empobrece.
Quanto mais armas ferinas existem,
mais o caos prevalecerá dentro do estado.
Quanto mais engenhos técnicos,
mais coisas perniciosas serão inventadas.
Quanto maior número de leis,
Maior quantidade de ladrões e saqueadores”. (…)
“Governa um grande país como se desses liberdade a um peixinho”.

2.- AFORISMOS DE CONFÚCIO (Nasc. 551 AC)
“Há prazer em descansar a cabeça contra um braço encurvado depois de uma refeição de vegetais simples acompanhada por um gole de água. Por outro lado, gozar riquezas e poder sem chegar a eles através os meios corretos é para mim o mesmo que muitas nuvens flutuando no céu”.
“A princípio, quando ouvia um homem falar eu esperava que sua conduta estivesse de acordo com o que ele dizia. Porém, agora, quando ouço um homem falar, reservo meu julgamento até ver como ele age”.
“O homem que cometeu um erro e não o corrige está cometendo outro erro”.
O ideal moral de governo para Confúcio: “Guie o povo com medidas governamentais e controle-o ou regule-o pela ameaça de castigo, e o povo tentará conservar-se fora de prisão, porém não terá sentimento de honra ou de vergonha. Guie o povo pela virtude e controle-o ou regule-o por meio da disciplina moral (li) e o povo terá o sentimento de honra e de respeito.”
O Barão K’ang Ch’i perguntou a Confúcio acerca do governo e Confúcio respondeu:
“Governar é simplesmente pôr as coisas em seus lugares. Quando você mesmo lhes dá o bom exemplo, como ousarão agir erradamente?”. (…) “Se deseja o que é bom, o povo se tornará bom. O caráter do governador é como o vento, e o caráter do povo comum é como a relva, e a relva curva-se na direção em que sopra o vento”.
“Quando o próprio governador faz o que é direito, terá influência sobre o povo sem dar ordens e quando o próprio governador não faz o que é direito, todas as suas ordens de nada adiantarão”. (…) “Uma nação não pode existir se não houver confiança no homem que a governa”.

3.- O MEIO DOURADO DE TSESZE (neto de Confúcio)
“A lei moral é uma lei a que não podemos, por um só instante que seja em nossa existência, fugir”. (…) Quando há ordem moral social no país, quando o homem entra na vida pública não deixa de ser aquilo que era quando ele estava dela separado”.
“O homem moral não pode encontrar-se em nenhuma posição na qual não seja dono de si mesmo”.
“Quando um homem compreender como pôr em ordem sua conduta pessoal e seu caráter, compreenderá como governar os homens”.
“Imaginado pelos que estão no poder, um sistema pode ter falhas em autoridade histórica embora possa ser excelente; o que lhe falta em autoridade histórica não pode merecer fé; e o que não pode merecer fé, o povo jamais obedecerá. Imaginado pelos que não estão com a autoridade, um sistema pode não merecer respeito, mesmo que seja excelente; o que não merece respeito não pode ter crédito, e o que não pode ter crédito o povo jamais obedecerá”.

4.- MOTZE (Nasc. 468 AC)
Motze disse: “A vantagem de um governo está em manter a ordem entre o povo e evitar o que possa acarretar confusão”.
Mas como se mantém a ordem entre os homens?
“Quando a administração do soberano corresponder aos desejos do povo, reinará ordem; no caso contrário, haverá desordens”.
Porque então os superiores se tornaram hoje incapazes de governar os seus súditos e estes, ineptos para servirem os governantes?
“Unicamente pelo mútuo desrespeito”.
“Deixando os bons sem recompensa e os maus impunes, fatalmente o governo levará o país à desordem”.

          ADQ, set 2017

CIDADÃO HONORÁRIO JOAÇABENSE – 2007

EXMO. SR. PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE JOAÇABA, VEREADOR ADEMIR LUIZ RIGHI
EXMO. SR. PREFEITO MUNICIPAL ARMINDO HARO NETTO
EXMO. SR. SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE JOAÇABA, JORGE DRESCH, NESTE ATO REPRESENTANDO O EXCELENTÍSSIMO SR. GOVERNADOR LHS
EXMO. SR. DEPUTADO ESTADUAL JORGINHO MELLO, NESTE ATO REPRESENTANDO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
EXMOS. SRS. VEREADORES ,
EXMO. SR. VEREADOR LICENCIADO ELÓI HOLFELDER, GERENTE REGIONAL DA CELESC, A QUEM AGRADEÇO POR TER SIDO O PROPONENTE DESTA HOMENAGEM
PREZADO AMIGO JOÃO CARLOS BORDIN
EXMA. SRA. CONSULESA DA ÁUSTRIA ANNA LINDNER VON PICHLER
MAGNÍFICO REITOR DA UNOESC, DR. ARISTIDES CIMADON
DIGNAS AUTORIDADES
QUERIDOS FAMILIARES E AMIGOS DA FAPESC
QUERIDAS AMIGAS E QUERIDOS AMIGOS DE JOAÇABA

Saúdo, inicialmente, a memória de minha mãe Dulce Fernandes de Queiroz e de meu pai Alexandre Muniz de Queiroz, cidadão joaçabense falecido no dia 23 do mês passado. Ele deixou codicilo escrito no qual me fez testamenteiro de suas últimas vontades, dentre elas a de ser cremado e suas cinzas “jogadas no rio Tigre, em Joaçaba, no fundo da casa que foi nossa, onde os quatro mais velhos (Maria Perpétua, Antônio Diomário, Enéas Jeremias e Luiz Lafaiete) tomavam banho e pescavam.”
Essa última vontade de papai liberta a minha mais antiga lembrança de vida: a sensação de imensa alegria de estar com ele, nadando no rio Tigre, em sua garupa. E abre o baú das reminiscências de um guri e jovem que viveu muito feliz em Joaçaba, como atestam as imagens a seguir projetadas.

Senhoras e Senhores,

Não localizei o registro fotográfico de mil outras maravilhosas recordações que guardo de Joaçaba: os trigais maduros até nos canteiros centrais da cidade, quando abrigou a Festa Nacional do Trigo; o orgulho de todos quando, no mandato de Udilo Antônio Coppi, foi o Município reconhecido como um dos mais progressistas do país; os pirulitos de açúcar vermelho comprados no seu Kempa aos domingos de manhã após a missa e que manchavam minhas roupas brancas de linho para desespero da mamãe; elas eram também manchadas pelas amorinhas guardadas no bolso, colhidas à beira do Rio do Peixe na casa de Tio José e tia Dirce, em Herval do Oeste, onde esperávamos a chegada sempre atrasada dos trens misto e direto, o espetáculo dos circos, as fogueiras das festas de São João. Como eram boas as matinês na rádio, animadas pelo Parafuso, as festas de barraquinha com as músicas das bandas tirolesas, os passeios de toda a cidade ao final de domingo até o conviver no cinema com as emoções do mesmo filme!
Essas e muitíssimas outras lembranças estão indelevelmente gravadas em minha mente e em meu coração! É por esta razão que tenho a clareza de que meu caráter, a parte mais importante de minha personalidade, foi forjado em Joaçaba. Herdei a alegria, o otimismo, as boas maneiras, o brasileirismo da cultura baiana de papai. Aprendi a disciplina, a perseverança, a confiança profunda na educação e na religiosidade, o sacrifício pela busca do ideal, com a cultura germânica e portuguesa de minha mãe. Acrescentei a esses valores a percepção clara da importância da tecnologia, das inovações e do empreendedorismo para a realização na vida, ouvindo diariamente o som das máquinas e dos apitos das fábricas de Joaçaba e a música dos rádios que embalava o trabalho na terra: “Vamos plantar milho, plantar com devoção, plantando milho tem fartura a gente sempre tem o pão. Plantando milho tem fartura a gente sempre tem o pão.”

Foi na convivência com a cultura alemã, tirolesa e italiana de meus amigos joaçabenses, que aprendi a respeitar a diversidade e a compreender que é na aceitação da diferença e no reconhecimento mútuo que afloram as oportunidades para todos e a afirmação de cada individualidade.

Foi nesse amálgama de vivência plural, que consegui assimilar os três valores principais e comuns a essas culturas: honestidade de princípios, trabalho competente e dedicado, bondade do coração. É o que me permite dormir com a consciência tranquila, decidir em relações complexas de conflitos humanos, selecionar com êxito amigos e pessoas.

Ainda hoje, quando venho a Joaçaba, sinto profundas emoções, que se transformam em vibrações físicas de prazer, desde o reencontro com as paisagens dos campos de Lages e Campos Novos e os contornos ondulados da Serra Geral.  Sendo assim, sempre me considerei joaçabense, e em todas as funções que exerci procurei atender aos amigos joaçabenses com especial atenção. Mas permanecia a consciência de que para ser joaçabense em plenitude, faltava-me ou o nascimento, já ocorrido em Boa Nova, Bahia, ou a outorga do título de joaçabense pela cidade, por intermédio desta Câmara Municipal.
É o que se faz nesta sessão solene!
Muito Obrigado!!

CIDADÃO HONORÁRIO DE FLORIANÓPOLIS – 1999

Tendo estabelecido raízes de duas gerações em Florianópolis, pelo nascimento dos filhos e do primeiro neto nesta bela cidade, sinto-me feliz em receber o título de Cidadão Honorário outorgado pela Câmara Municipal por proposição da vereadora Lia Carmen Kleine. Esta inesperada homenagem sensibiliza-me especialmente por amar Florianópolis desde criança. Quando estudante de Direito nos anos sessenta, encantei-me definitivamente pela magia de sua natureza, cultura e tradições. Posteriormente, a dinâmica do  desenvolvimento urbano  me abriu as oportunidades de realização profissional, e fiz morada num de seus sítios maravilhosos, Santo Antônio de Lisboa.

Foi sempre como cidadão apaixonado pela  cidade que procurei retribuir à generosidade do abrigo recebido, com trabalho dedicado ao bem público.

O magistério proporcionou-me a ventura de compartilhar com milhares de concidadãos o processo de enriquecimento intelectual e de capacitação para a vida. No Instituto Estadual de Educação, no Colégio Catarinense, na Escola de Formação de Oficiais e na Escola Superior da Polícia Militar, na Escola Superior de Administração e Gerência – ESAG, e na Universidade Federal de Santa Catarina, busquei, como professor, contribuir para a valorização das pessoas. Continuo no Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas da UFSC a construir uma carreira acadêmica de ensino e pesquisa.
Nos cargos  técnicos, de assessoramento e de direção ocupados nas Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. – CELESC, no Banco de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina S.A. – BADESC,  no Grupo USATI – PORTOBELLO e na Universidade Federal de Santa Catarina, sem jamais perder de vista  os elevados propósitos institucionais e os interesses de toda a gente catarinense, alegravam-me as oportunidades surgidas de corresponder também aos anseios da população de Florianópolis.

Certamente foi na função de Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina que se ampliou a visibilidade das decisões e dos atos em benefício dos municípios, inclusive da Capital. O compromisso fundamental com uma universidade aberta à sociedade consubstanciou-se em diversas realizações importantes de nossa gestão. Dentre outras, cito  a ampliação dos serviços gratuitos do Hospital Universitário, a instalação da Maternidade Universitária, a implantação do Fórum Judiciário da UFSC que proporciona acesso à justiça aos cidadãos de baixa renda, a ampliação da Biblioteca Universitária e a parceria na constituição da TV Anhatomirim. Pelo programa de humanização do câmpus, abriu-se à comunidade a Praça da Cidadania, bonito e agradável passeio público com obras de arte como o mosaico de Rodrigo de Haro sobre a criação latino-americana, abrigando o Templo Ecumênico e o Centro de Cultura e Extensão.  A preservação para a pesquisa e a educação ecológica de mais de 1,2% da Ilha de Santa Catarina foi assegurada pela formação da Unidade de Conservação Ambiental Desterro. O apoio ao turismo regional foi prestigiado pelo apoio ao Fórum Permanente do Turismo da Grande Florianópolis e ao projeto das fortalezas históricas, incluindo a iluminação elétrica da Ilha de Anhatomirim.

Da janela do escritório olho para a linda paisagem que se descortina. Vejo o verde florido da floresta atlântica, a mansidão do mar que aguarda o pôr do sol radiante, os contornos do Cambirela sobressaindo-se dos morros do continente, o vôo dos pássaros contra o céu azul. Aspiro profundamente o puro ar marinho que me traz o vento Nordeste e deixo vibrarem todos os sentimentos bons que compõem o privilégio de ser cidadão de Florianópolis.

      Florianópolis, 22 de março de 1999

            Antônio Diomário de Queiroz.

Posse na Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado de Santa Catarina, 2005

DISCURSO DE POSSE
SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA
ANTÔNIO DIOMÁRIO DE QUEIROZ
FLORIANÓPOLIS, 26 DE JULHO DE 2005

Exmo. Sr. Governador Luiz Henrique da Silveira, prezado amigo que me buscou no “doce exílio acadêmico” e preencheu minha biografia de extraordinários desafios e missões, como o de dirigir a Secretaria do Estado da Educação, Ciência e Tecnologia.
Exmas. autoridades,
Magníficos Reitores,
Queridos familiares, amigas e amigos,
Senhoras e Senhores,

Aceito, lado a lado com a professora Elisabeth Anderle, este novo e extraordinário desafio de dirigir a Secretaria do Estado da Educação, Ciência e Tecnologia, sem a pretensão de vir a substituir o saudoso e querido professor Jacó Anderle.
Viemos para dar continuidade ao seu trabalho, para consolidar o avanço na direção que ele apontou: a construção de um sistema  de educação de qualidade para todos os catarinenses, integrado e articulado em todas as modalidades de ensino, num processo de aprendizagem aberto e comprometido com o social, no qual, mais do que instruir se educa o cidadão, estimulando sua criatividade e seu espírito crítico, no contexto da pesquisa e das relações comunitárias, para construir uma vida e um mundo melhores.
Como é bom poder dar continuidade a um programa de governo, num país carente de referências exemplares e da estabilidade institucional e de valores!
Como é tranquilo assumir novas responsabilidades, quando se mantêm sólidas as crenças e a confiança nos princípios e na prática política avançada de nossas lideranças maiores!
Como é gratificante integrar uma equipe de governo compromissada com a gestão democrática, com o respeito à coisa pública e a todas as pessoas, trabalhando de forma extremamente devotada e inovadora para superar a herança nefasta da injusta distribuição social de renda e dos entraves burocráticos de uma organização pública tradicional em permanente crise.

Tenho a profunda convicção de que somente a educação, ciência, tecnologia e inovação podem promover a geração dos conhecimentos necessários ao estabelecimento de uma nova ordem política e de um processo duradouro de desenvolvimento harmônico com a natureza. Por isso dimensiono com clareza a imensa responsabilidade que me está sendo delegada de liderar e coordenar o sistema de educação, ciência e tecnologia em Santa Catarina, composto de instituições tão proeminentes como o Conselho Estadual de Educação, a Universidade para o Desenvolvimento de Santa Catarina, a Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina, a Fundação Catarinense de Educação Especial e o Instituto Estadual de Educação. Essas instituições se articulam com o restante do sistema educacional no Fórum Catarinense da Educação Superior que tem contribuído para dar direcionamento estratégico à educação em nosso Estado. Para articular as ações de pesquisa e inovação dos agentes econômicos e sociais catarinenses foi ainda criado o Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação que nos caberá implementar brevemente.
Sou-lhe, pois, muito grato, senhor Governador, por me designar para esta nova missão que procurarei exercer com fidelidade e com o melhor dos desempenhos para que dignifique a minha biografia e corresponda à sua confiança.
Agradeço-lhe pessoalmente, e à sua esposa Ivete, pelo exemplo cotidiano de incansável trabalho, honradez e espírito público, o que energiza os nossos ânimos, mesmo nas horas das maiores dificuldades.
Agradeço a todas as lideranças políticas e a todos os colegas de governo que avalizam a indicação de nosso nome e nos oferecem o suporte indispensável para o trabalho cotidiano conjunto.
Agradeço a todos os amigos, colegas e familiares que têm sido tão generosos em estímulos, amor e carinho, o que é fundamental para que possa manter o equilíbrio da alma indispensável para enfrentar problemas com alegria e serenidade.
Confiando nas bênçãos de Deus, compartilhando os ideais de Jacó Anderle, contando com o firme apoio de Elisabeth Anderle, dos competentes diretores e gestores e de milhares de colegas professores comprometidos com a educação, prioridade das prioridades do governo Luiz Henrique da Silveira e Eduardo Pinho Moreira, e como educador há mais de 40 anos, concluo estas palavras com o pensamento e o coração voltados aos estudantes, crianças e jovens que constituem a razão de ser de nosso trabalho.
A eles especialmente, extensivo a todos os catarinenses, reitero, no exercício das novas funções, a promessa pública que fiz ao aceitar vir para o governo:
prometo que todas as minhas decisões e que todos os meus atos serão pautados exclusivamente pelos mais elevados propósitos da Educação, da Ciência e da Tecnologia e pela promoção do desenvolvimento social em Santa Catarina.
Disse.

OUTONO

No outono, também, a vida é bela!
Do amarelo ao vermelho o coração palpita
E o vento vai levando ao longe os suspiros
De quem não teme sequer o inverno…

Por isso só sorrisos, a vida é toda bela!
O tempo vai-se embora mas ficam as saudades
Enquanto a vida dura e o coração palpita.
As flores me encantam, estrelas iluminam.

Assim, peço sorrisos porque a vida é bela!
Andando em areias o azul do mar se espelha
E o encanto das crianças no coração palpita…

Suspiro e vejo o mundo com tanta alegria,
Seus olhos tão bonitos no meu cotidiano.
Como não vou sorrir se a vida é assim tão bela?

Diomário, setembro de 2016

As garças

As garças voltaram!
Brancas, onduladamente,
pousaram no meu coração.
O lago as recebeu em silêncio
na cidadania.
As flores, com liberdade.
Os olhos acompanharam seu voo suave
ao câmpus,
ao paciente e indiferente estar
para as fotos do Jones.

Todos sorriram para as garças
com alegria!

As garças brancas vieram saciar a fome
na Praça da Cidadania.
Comeram os peixes do lago em liberdade
enquanto houve.
Ilustraram catálogos, agendas, o Jornal Universitário.
Penetraram no Livro da Criação Latino-americana
de Rodrigo De Haro
bicando uma cobra-coral.
E depois partiram
pelo mesmo voo branco, ondulado, suave,
para os lados do mangue do Itacorubi.

Todos sentiram saudades das garças!

As garças vão e voltam
como as ideias, os sentimentos
e os sonhos suaves, ondulados, brancos
da imaginação.
Só permanecem enquanto gostam
do silêncio, das flores, do alimento,
da efêmera felicidade.
Mas o vôo das garças alcança o infinito
da liberdade e da cidadania.

Todos perguntam quando as garças voltarão!

Antônio Diomário de Queiroz
Florianópolis, 31/10/95
Transposição em mosaico, 12/04/2016